Shoegaze: Não ao Futebol Moderno – Vida Que Segue

Capa: Não ao Futebol Moderno – Vida Que Segue. O típico efeito medusa proporcionado por retrato feminino em preto e branco.

Em tempos onde tudo tende a piorar
Eu sei que fiz o mais difícil
Em tempos onde tudo tende a piorar
Eu não soltei da sua mão
Não diga que sua vida
É uma obra de arte mal feita
Me dói tanto ouvir isso vindo de você

Laços de Família

Vida Que Segue, álbum da banda gaúcha Não ao Futebol Moderno, formada por Felipe, Kílary, Pedro e Marco impactou uma fase da minha vida de tal forma que desde que comecei esse blog eu sempre almejei escrever essa resenha, mas até agora deixei a pauta na geladeira. Já que minha proposta era sempre a de fazer um blog em inglês, onde o conteúdo fosse focado num público internacional, de forma que eu também pudesse divulgar trabalhos brasileiros, em inglês, de forma mais abrangente e não limitada a essa grande ilha que é o Brasil, como quando cobri aqui a banda Bike ano passado. Isso tudo somado à playlist Brasil Progressivo. Porém, como explicar minha emoção ao ouvir Vida Que Segue em inglês? Portanto, este será a primeira postagem em língua portuguesa nesse blog.

Um dia sonhei: Estavam todos enlouquecidos
Quando acordei, acontecia algo parecido
E eu que sempre procurava um porquê
E eu que sempre procurava entender
Me dei conta

Nem sempre não ter sentido é ruim
Mas eu nem sempre pensei assim

Carlinhos

O álbum possui ao todo 10 faixas e foi lançado em 2016 pela gravadora de Porto Alegre, Umbaduba Records, também responsável por outros lançamentos do rock alternativo e shoegaze gaúcho como SLSD, Locomotiva Elétrica e Onda Anda Chico Flores, EP anterior da banda lançado em 2014. Em geral, os trabalhos lançados pela Umbaduba dialogam entre si. Mas ao meu ver, nenhum deles chegam próximo em conteúdo e altura do que veio a ser Vida Que Segue. Álbum que certamente pode ser considerado um dos melhores lançados nesses últimos três anos, mais especificamente na cena do rock alternativo independente. Outros álbuns que podem dialogar com Vida Que Segue são Sobre a Vida em Comunidade da banda Mahmed do Rio Grande do Norte, 1943 dos paulistanos do Bike e Manual dos goianos Boogarins. São álbuns em geral marcantes, que revelam muito sobre o Brasil contemporâneo pós crise política, econômica e golpe. Todos eles marcaram uma época, de obscuridade psicodélica típicas de trabalhos produzidos nos idos de 1971, 1972 e 73, como Tudo Foi Feito Pelo Sol e o A e o Z dos Mutantes. Vida Que Segue é carregado em poesia em suas letras e no som, como Peso Pesar, digno do melhor do rock progressivo brasileiro, com um phaser marcando presença na bateria.

Bota um disco pra ouvir
Mais um dia chato, e eu nem notei
De quem nós vamos rir
Aponta o dedo, você sabe o jeito
Fale o que preferir
Tua voz me acalma, quando eu não tô bem
Chama pra subir
Mais um dia quente
E eu nem me importei de não ver o mar

Olhar pra cama e ver você
Me faz enlouquecer
Viajar pra dentro de você
Pra te conhecer

Janeiro

O álbum em si possui uma produção impecável, com guitarras e pedais analógicos, somados sintetizadores aqui e li, o baixo soa em sincronia com a bateria orgânica, que marca um ritmo meticulosamente mixado, em um som fortemente analógico, típico ao shoegaze de findos anos 80 e anos 90. Faixas como Quintal, trazem consigo a delicadeza do rock progressivo pós tropicália, típico ao início dos anos 70 somado ao que os anos 90 tiveram de melhor, poeticamento retratando um existencialismo beirando aos 30, no Brasil de 2015 e 2016. Musicalmente comparável ao som de bandas como Som Imaginário. Vida Que Segue, com esse título profético, em versos, carrega o peso que um homem beirando aos 30 sente em seu peito. As pequenas frustrações somadas em anos de aventuras juvenis, o peso do amadurecimento, os cabelos brancos surgindo, vidas amorosas concretas e toda responsabilidade que isso carrega. O peso de ter que trabalhar com coisas nem sempre agradáveis e também o peso do desemprego, como em Cansado de Trampar.

O filho chora discretamente
E reclama demais silenciosamente
Mesmo que digam que o que os olhos não vêem
O coração não sente
O seu sempre sentiu

Faixas como Carro Chefe, servem de exemplo para ilustrar toda a carga existencial de Vida Que Segue.

Eu te ouvi com atenção, amigo
Falar sobre as sombras
Que a gente não vê, só sente
Você e eu somos poeira
Então por que continuo a lustrar meus móveis
Espero que me convença
A não ter mais medo de pensar na morte
Anestesiado pela ignorância do meu próprio fim
Se você e eu somos poeira
Então por que continuo a lustrar meus móveis
Azar que não importa
Tento ser a melhor pessoa pra mim mesmo

Infelizmente a banda deixou de produzir novos trabalhos de estúdio depois de Vida Que Segue, mas nos deixou esse álbum que com certeza já está na história das gravações e produções do rock alternativo brasileiro. Outros álbuns relevantes do shoegaze brasileiro que também merecem destaque são Repertório Infindável de Dolorosas Piadas e Paroxismos da banda Gorduratrans. Mas isso ficará para postagens futuras, mas fica aqui a dica.

Foto dos membros da banda por Tuany Areze.

Faixas do Vida Que Segue foram adicionadas às playlists Brasil Progressivo e Psychedelic Waves of Eden, playlist que é dedicada tanto a shoegaze quanto rock progressivo/psicodélico.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *